Castanha
com Todos

Mercado da castanha de Sernancelhe

Práticas de gestão de soutos:
da plantação à colheita

Preparação do solo para a plantação

As operações necessárias para a plantação deverão ser executadas atempadamente e deve dar-se prioridade às seguintes:

  • A preparação do solo deverá ter início no ano anterior à plantação, no período de Outono – Inverno, devendo realizar-se a limpeza de restos de infestantes e/ou de outras culturas anteriormente instaladas no local (remoção de toiças, raízes…).
  • O recurso a herbicidas é desaconselhado, dado o impacto negativo que pode provocar na microflora e na microfauna do solo.
  • Análise de solos.
  • Correção do pH do solo.
  • Mobilizações do solo.

Em casos onde é possível o uso de alfaias agrícolas deve proceder-se:

  • Subsolagem que mobilizará o solo sem o revirar. A sua profundidade deve ser escolhida em função da localização da camada mais compacta do solo, recomendando-se uma profundidade de subsolagem 5 a 10 cm abaixo da camada compactada.
  • Gradagem que mobilizará apenas a camada superficial do solo. Recomenda-se a incorporação no solo da cultura melhorada (ex: leguminosa).

A manutenção do solo livre de infestantes pode ser conseguida com a instalação de um coberto vegetal composto por gramíneas e leguminosas, que, além de manter o solo em condições favoráveis para a recolha dos frutos, contribui para a ocorrência de uma maior taxa de fixação biológica do azoto e confere proteção ao solo contra a erosão.

Pode incorporar a cultura melhorada no solo no início da fase de floração através de gradagem.

Solo
Fertilizante
Composto
Solo
Fertilizante
Composto

A instalação de um souto deve ocorrer durante o período de dormência vegetativa da planta, ou seja, no período de Outono – Inverno.

  • Marcação do traçado de plantação, com compassos de plantação na ordem dos 10 x 10 m
  • Abertura de covas com profundidade e diâmetro de 80 e 50 cm respetivamente
  • Desinfeção do sistema radicular, quando se utilizam plantas com raiz nua
  • Adubação de fundo: 8 a 10 kg de composto orgânico e 150 gr de fertilizante
  • Colocação de tutor e de rede contra roedores em todas as plantas
  • Rega de plantação

Poda

Os objetivos da poda variam consoante a idade e o estado da árvore a podar. De um modo geral, os principais objetivos a atingir com esta operação são:

  • A orientação estrutural da árvore, melhorando o seu vigor, e, a regularização da produção, através da manutenção de um bom equilíbrio entre a frutificação e a vegetação, permitindo uma maior e melhor produção.
Para a execução da poda, são necessários os materiais:
  • Tesoura de poda.
  • Serrote e material para isolar as zonas de corte, como a emulsão betuminosa.

A poda, no castanheiro, é de dois tipos:

  • Formação – a aplicar nos primeiros anos até a árvore adquirir uma forma em vaso e tem como objetivo dar estrutura e altura adequada à árvore, de modo a permitir um melhor maneio e favorecer, no futuro, a produção de fruto.
  • Sanitária – a aplicar, anualmente, no Verão com o objetivo de limpar ramos partidos, mais fracos ou com problemas fitossanitários e, ainda, de suprimir os que adensam demasiado a copa.

Épocas de poda:

  • Outono, após a apanha da castanha e antes da queda da folha.
  • Primavera antes do aparecimento da folha.

Notas:

  • Os ramos verticais tendem a receber grande quantidade de seiva e a ser muito vigorosos, produzindo madeira em detrimento do fruto;
  • Os ramos horizontais e inclinados onde a seiva circula com mais dificuldade tendem a acumular substâncias de reserva e a produzir fruto.
  • O corte deve ser efetuado de modo a respeitar a ruga da casca e o colo do ramo.
  • A poda é desaconselhada durante o repouso vegetativo, pois a cicatrização não se faz, as feridas ficam expostas, facilitando processos de infeção.
  • Após a poda de uma árvore, devem limpar-se bem os utensílios usados e, seguidamente, mergulhá-los numa solução desinfetante, antes de utilizá-los na poda de outras árvores.

Cortes a evitar:

Corte plano acumula água e apodrece

Cortes demasiado afastados formam cotos que
acabam por apodrecer


Cortes correto:


Antes

Depois

Fenologia

Lorem ipsum dolor sit amet, no mei novum volutpat, in aeque eirmod disputationi mei, nec et omnis ullum minimum. Id vel vidit vocent salutatus, et nec intellegat mediocritatem. Sit no lorem virtute accumsan, qui at malis persequeris. An iusto sententiae nam, usu cu tibique repudiare, nostrum theophrastus disputationi est te. Ut sea recteque convenire, duo et sonet dissentias. Vel sonet soleat scribentur eu. Cu sed nonumy melius, nam te veri docendi consequuntur. An vel libris utroque accommodare. Pro inermis epicuri invidunt ex, amet volumus sit at.
Lorem ipsum dolor sit amet, no mei novum volutpat, in aeque eirmod disputationi mei, nec et omnis ullum minimum. Id vel vidit vocent salutatus, et nec intellegat mediocritatem. Sit no lorem virtute accumsan, qui at malis persequeris. An iusto sententiae nam, usu cu tibique repudiare, nostrum theophrastus disputationi est te.
1. Gomo dormente
2. Gomo inchado
3. Abertura do gomo
4. Escamas verdes mais longas do que as castanhas
5. Aparecimento da nervura das folhas
6. Alongamento do ramo, com aparecimento dos amentilhos masculinos
7. Aparecimento dos estames
8. Plena floração masculina (emissão do pólen pela abertura das anteras)
9. Acastanamento e queda (fim da emissão de pólen)
10. Aparecimento dos amentilhos androgínicos; os glomérulos masculinos estão individualizados; as flores femininas estão bem diferenciadas
11. Plena floração feminina
12. Emissão do pólen (plena floração masculina)
13. Acastanhamento das anteras (as inflorescências femininas são 2,5 vezes mais grossas do que na fase M)
14. Deiscência (abertura) da cúpula (ouriços)
15. O ouriço liberta as castanhas ou caiem conjuntamente com elas
16. Queda das castanhas